Um dia…

Volto a escrever neste blog. No momento está servindo apenas para arquivos temporários. Mas se quiserem ler um pouco do que escrevo atualmente pode visitar meu blog, o Jane Austen em Português | do Brasil. Raquel Sallaberry Brião

Anúncios

Quatro bibliotecas e um funeral

Lendo o primeiro parágrafo do artigo intitulado “Kassab fecha quatro bibliotecas em São Paulo”, de Renato Santiago – citado a seguir –, eu pergunto: qual a relevância da informação “véspera do Carnaval”? Será por que os paulistanos nessa data trocam sua leitura habitual do Diário Oficial pelo Momo e desse modo foram enganados?

“Com um decreto publicado no dia 1º de fevereiro – véspera do Carnaval – no Diário Oficial de São Paulo, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) fechou quatro das 61 bibliotecas que existiam na cidade. A justificativa da administração municipal é a falta de frequentadores.”
Artigo completo na Folha Online, 18 de fevereiro de 2008

No segundo parágrafo, o repórter informa que “a decisão partiu da Secretaria da Cultura” e os motivos seriam “os poucos empréstimos” e que essas bibliotecas “não eram usadas pelos moradores dos bairros”. Não questiono as razões técnicas do fechamento mas quero saber mais sobre o motivo de tão poucos empréstimos e a baixa freqüência. Consultada sobre o assunto, a presidente do Conselho Regional de Biblioteconomia de São Paulo, Regina Celi de Sousa, diz que é “a má qualidade do acervo” e “ausência de serviços auxiliares”. Imagino que bibliotecas públicas tenham um critério, igual para todas, para adquirir acervo, e cheguei à conclusão, neste caso, que só poderia ser aquela alegação de praxe: falta de verba. Eu estava enganada; a senhora Regina Celi de Sousa afirma logo a seguir que “Não é só comprar livros. Tem que ter internet, tem que incentivar a leitura”.

Se não faltam livros, a razão de ser de uma biblioteca, vamos ao ponto seguinte: a internet. Uma ótima ferramenta, mas é só uma ferramenta, e na minha opinião não incentiva ninguém a ler; quem nos incentiva a ler são as pessoas (família, amigos, professores etc.). Resta apenas a pergunta: o que fazer para que as pessoas leiam mais? Além dos incentivos que já mencionei não me ocorre nenhum outro no momento. Tenho apenas uma certeza: não é possível obrigar as pessoas a gostarem de ler. Ler é prazer e, portanto, uma decisão de foro íntimo.

Eu lamento profundamente que bibliotecas fechem, mesmo no caso das quatro citadas que foram ou serão transformadas em centros ligados à cultura (lista abaixo), embora isso não tenha ficado claro no título nem nos primeiros parágrafos do artigo, únicas partes lidas por um grande número de pessoas, que por preguiça ou falta de tempo infelizmente ficam mal informadas.

O funeral do título não é das quatro bibliotecas que fecham suas portas mas sim de um povo que não faz a menor questão de ler.

  • Biblioteca Chácara do Castelo do Jardim da Glória (zona sul): será um depósito e centro de conservação do acervo de periódicos da biblioteca Mario de Andrade.
  • Biblioteca Arnaldo de Magalhães Giácomo no Tatuapé (zona leste): instalações e acervo serão incorporados a uma escola de educação infantil.
  • Biblioteca Zalina Rolim, na Vila Mariana (zona sul): se transformará em casa de cultura, com oficinas e cursos.
  • Biblioteca Cecília Meireles, na Lapa (zona oeste): se transformará no Centro de Memória e Convívio da Lapa.

Cadê meu tempo que estava aqui?!

Cadê meu tempo que estava aqui?!

Pergunto: onde terá se escondido o tempo? o meu tempo – aquele que ganhei quando nasci… que sensação de escassez é essa?

Ler despreocupadamente, caminhar sem rumo, jogar conversa fora sem tempo contado… tudo isso virou luxo, raridade. Ou sempre foi e eu não dei o devido valor.

Já para o trabalho, Raquel! Quem sabe consegue um tempinho, essa semana que inicia, para flanelar um pouquinho?

Temor

Com estes dias chuvosos meu único temor é que o céu me caia na cabeça, conforme previsões dos ecochatos e velha crença celta, sem que eu possa diagramar minha vida. Sim, pretendo morrer com tudo organizadinho.

Lenda ou historia, consta que Alexandre, o Grande, impressionado com o destemor dos guerreiros celtas em batalha, perguntou para eles se havia algo que lhes metesse medo – é provável que quisesse ouvir seu próprio nome – e estes responderam que não temiam nada, a não ser, é claro, a possibilidade de o céu lhes cair na cabeça.

O que vocês acham observando minha foto de São Paulo no dia 19 de novembro de 2007?

sampa_cinza.jpg

Meu convite de casamento

Recebi hoje o meu convite de casamento. Lindo! Papel vergê branco, fonte caligráfica “Zapfino” de Hermann Zapf, imagem das alianças em estilo aquarela e aviso de recepção aos convidados anexado com clipezinho dourado.

Eu não sabia que estava prestes a me casar. Eu deveria ter percebido, afinal já havia recebido algumas propostas de seguro de vida do noivo em questão.

Sinto muito meu querido noivo, 300 reais não são a minha cara… E têm mais, eu sei que você anda fazendo propostas para “outras”, viu? Você já foi mais seletivo…

Raquel, sua ex-noiva

PS: Caros amigos, lamento informar, mas a cerimônia foi adiada indefinidamente até o noivo elevar o valor – no limite da indecência – do presente e baixar as taxas até quase a invisibilidade.

convite_casamento.jpg